Uma trilha sonora para o seu Ano da Misericórdia

Audrey Assad leva a mística e a serenidade ao canto, em seu novo álbum de hinos “Inheritance”

0
476

Uma voz persistente ressoa sobre o fundo musical, recitando a primeira linha de um antigo canto gregoriano: Ubi caritas et amor, Deus ibi est. “Onde há caridade e amor, Deus aí está”.

Algumas pegadas históricas da música “Ubi Caritas” – associada com a Eucaristia e agora expandida ao rito do lava-pés de Quinta-feira Santa – estão longe, no século IV. Mas o novo álbum de Audrey Assad, Inheritance, reformula o canto com uma melodia original agitada, tambores trovejantes, e toda a doçura e tristeza de uma melodia folclórica gaélica.

Os hinos de Inheritance cresceram a partir de um projeto particular iniciado por Assad no ano passado. Depois de deixar seu selo para se tornar independente, ela convidou seus fãs para votar, entre trinta candidatos, numa coleção ampla de hinos para seu novo álbum.

Mas algumas faixas foram inevitáveis para a compositora, que cresceu cantando e tocando piano em uma comunidade de Plymouth Brethren (religião calvinista Plymouth, Inglaterra) antes de converter-se ao catolicismo aos dezenove anos. “Ubi Caritas” – que não só abre o álbum, como o encerra – era um deles. “‘Ubi Caritas’ é a primeira faixa, porque é uma oração sobre a unidade e a caridade”, ela explica. “Foi um movimento proposital reunir hinos tradicionais e, por causa disso, ‘Ubi Caritas’ parecia adequado como um lugar para começar (e terminar), tematicamente falando”.

Mas Assad não apenas olhou para os hinos mais antigos, mais formais. Outra opção foi “Jesus’ Blood Never Failed Me Yet”, do compositor Gavin Bryars (com Tom Waits), e “I Wonder As I Wander” – um hino popular Appalachian do século 20 que ela gravou ao vivo – uma escolha pessoal.

Essas duas fortes canções fazem mais do que transmitir a expansão da Igreja através do tempo; elas também mostram a extensão da Igreja, através das classes sociais, equilibrando a “alta composição de hinos da igreja” com o elementar das canções populares anônimas. “Eu fiz uma escolha muito intencional para incluir alguns hinos populares que originaram com pessoas que vivem na pobreza ou sob opressão”, disse Assad. “Eu fiz isso porque eu queria trazer músicas de uma variedade de lugares para criar uma coleção abrangente”.

O resultado é uma obra cativante de ecumenismo cristão. E nas mãos de Assad, esta coleção de hinos de lugares e pessoas completamente diferentes é mostrada para unir em uma única característica: serenidade. Com faixas de pouca bateria pesada, é mais uma serenidade ativa, triunfante, do que passiva; ainda, ao longo do álbum – e, especialmente, nos elegantes hinos do século 19, como “It Is Well With My Soul” e “How Can I Keep From Singing” – sempre brilha suave, com extremo rigor e qualidade.

Mas essa qualidade veio com um custo.

“Eu estava em um lugar bastante triste emocional e espiritualmente no momento que gravei Inheritance”, Assad confessa.

“Tornou-se muito difícil, porque minha vida espiritual naquele momento sentiu um pouco como tentar andar através da neve. Minha ‘noite escura da alma’, nesse ponto, foi para cima de cinco anos na criação”.

“Durante o processo de gravação, eu tive que agendar tempo de estúdio extra para terminar os vocais, porque eu simplesmente não conseguia pronunciar as palavras. Eu me sentia… sufocada. Houve muitas lágrimas. Olhando para trás agora, depois de alguma cura interior muito profunda e significativa que aconteceu nas mãos de Nosso Senhor, vejo que fazer Inheritance foi grande parte da cura. Meus instintos para voltar a algumas das músicas da minha juventude eram bons – os hinos foram profundamente comoventes para mim. Eles despertaram memórias dolorosas, emoções difíceis e reações confusas, e eu estava direcionada a buscar a cura. Acho incrivelmente belo que há um tom de serenidade durante todo o álbum, especialmente porque não havia nada sereno na realização do mesmo para mim. Talvez eu possa melhor atribuí-lo ao Espírito Santo”.

Assad contribuiu com duas músicas originais para o álbum. A primeira, a sombria “Even Unto Death”, foi inspirada na execução dos 21 Mártires Coptas em fevereiro de 2015 (“foi a minha tentativa de adotar a oração dos mártires como minha própria oração”), enquanto a íntima e comovente “New Every Morning” inspira-se um lugar mais teológico, tecendo versos de criação, a queda e redenção em torno de um refrão de perdão. “‘New Every Morning’ tem uma visão panorâmica da história”, ela explica, “e apontar para a cruz como o momento atemporal da revelação que é – em todas as estações, idades e épocas misticamente fizeram presentes na Eucaristia, revelando o amor do Pai”.

Inheritance é preenchido com esses tipos de meditações inestimáveis sobre os fundamentos da vida cristã, e se tornará a trilha sonora de muitos neste Ano da Misericórdia. Mas também dá testemunho próprio do poder “místico” da música. Essa é a verdade simples, mas essencial que Assad quer que todos tirem do álbum.

“Eu não compus a maioria destas canções, mas as próprias paisagens sonoras foram trabalhos de amor e seriam, eu acredito, uma testemunha de Beleza, Bondade e Verdade, mesmo quando não havia palavras. Mas ao mesmo tempo, as grandes peças que eu, tremendo, me comprometi a organizar valem tanto a pena oferecer ao público. Celebrando e cantando hoje, assim como era quando foram escritas. Espero ter dado uma contribuição digna do cânone da música da Igreja com este álbum, e me sinto honrada que tenho a oportunidade de vivenciar isso”.

Inheritance é mais do que apenas uma contribuição digna; é um presente de valor inestimável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here