Eu estava perdido. Mas Jesus Sacramentado me socorreu e me devolveu a vida

“Se não dobrarmos os joelhos diante do Senhor no Santíssimo, não conseguiremos ir para a frente”

0
32

Nove horas da manhã. Soam os sinos da igreja de São José, na Costa Rica. Chega o carro que leva o corpo de um humilde costa-riquenho. O sacerdote e os fiéis que conviveram com ele durante 33 anos, esperam pelo velório e para rezar por ele. Dobram os sinos. Uma grande alma entra no céu.

Mas quem é essa pessoa, a quem se rendem honras?

É o mais simples que você possa imaginar. Eu o conheci em uma das minhas viagens à Costa Rica. Fui para rever a família e para passar um tempo com meu irmão Frank e sua esposa Susana, que vivem lá.

Minha cunhada tinha falado sobre o senhor Paulino Villalobos, um velhinho humilde e bom, que ajudava em sua paróquia e tinha um amor extraordinário por Jesus Eucarístico. Queria que eu o conhecesse.

Naquele sábado, fomos muito cedo à Missa da tarde.

Notei um senhor ajoelhado, com grande devoção diante do sacrário. Ele se levantou, arrumou as flores com um carinho que me comovia. Fiquei um momento com Jesus, em oração, e logo fui à sacristia.

Minha cunhada sussurrou: “Este é senhor Paulino…”

Susana, então, aproximou-se dele e o trouxe até onde eu estava. Ele me cumprimentou cordialmente e nós sentamos para conversar. Logo, o senhor me mostrou Jesus no sacrário e disse: “Ele é meu amigo”.

 “Um grande amigo, né senhor Paulino?”, respondi.

 “O melhor, senhor Claudio. Eu vivi no pecado durante muitos anos. Não conseguia sair dos vícios. Estava perdido. E, um dia, Ele me tirou. Restaurou minha vida. Deu sentido a tudo. Fez-me feliz. Por isso, em agradecimento, aqui estou eu, servindo-o com o pouco que eu posso, fazendo-lhe companhia, dedicando minha vida a ele há mais de 30 anos”.

Conversamos por quase 20 minutos. As palavras dele me emocionavam. Eram as de um indiscutível apaixonado por Jesus Sacramentado. Um desconhecido para o mundo, mas alguém muito especial para Jesus e Maria.

Eu não estou na Costa Rica. Mas quero honrar sua vida, transcrevendo uma entrevista que ele deu recentemente:

 “Eu sempre digo uma coisa muito importante para as pessoas. As visitas ao Santíssimo me ajudaram nestes 33 anos, depois que entrei no caminho do Senhor. Porque, quando alguém entra no caminho do Senhor, traz muitos costumes do mundo. E, se não dobrarmos os joelhos diante do Senhor no Santíssimo, não conseguiremos ir para a frente, como eu fui.

Tenho 33 anos de proximidade com o Senhor e nunca caí novamente no abismo, pois Ele sempre me socorre.

É muito importante receber o corpo e o sangue de Nosso Senhor Jesus. Oxalá todos pudessem receber todos os dias, como eu recebia.

O que Ele mudou na minha vida? Como evitei cair no vício que me consumiu? Este é o secreto: estive em comunhão com Ele sempre e sempre em oração”.

Até o céu, dom Paulino!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here