Vinde, Espírito Santo, e iluminai o… Espírito Santo!

E mais: o caso da cidade mexicana que está vencendo a violência com a ajuda de Cristo na Santa Eucaristia

1
430

Um momento crítico para todos nós cristãos e cristãs.

Diante da espantosa escalada de assassinatos e saques que está assolando o Estado brasileiro do Espírito Santo desde o último sábado, enquanto a polícia militar se mantém bloqueada nos batalhões, é urgente que todos os poderes públicos ajam prontamente com responsabilidade, firmeza e justiça a fim de resolver a complexidade da situação e cumprir a sua obrigação básica de garantir os direitos da população.

Se as medidas administrativas são imprescindíveis, uma reflexão consciente e uma mudança de atitude por parte dos cidadãos é igualmente indispensável: que tipo de valores estão regendo o nosso cotidiano a ponto de desembocarmos nesta situação extrema? O que é que nós, como sociedade, temos que assumir para nos transformarmos de fato em uma civilização?

Junto com o exame de consciência e com a determinação de mudanças práticas de comportamento por parte de autoridades e população, todo cristão sabe também que o auxílio que vem do Alto é absolutamente necessário para nos dar as forças na luta pelo bem.

Do ponto de vista da fé, sempre unida às obras práticas (sem as quais a fé é morta), queremos sugerir dois recursos espirituais não apenas à população do Estado do Espírito Santo, mas aos moradores de todos os lugares em que a violência é uma preocupante realidade cotidiana: um hino à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, aquela que dá esse nome tão significativo e belo ao Estado capixaba, e a Adoração Eucarística, uma das formas mais sublimes de contato pessoal e profundo com Deus.

 

“VÉNI CREÁTOR SPÍRITUS” – VINDE, ESPÍRITO CRIADOR

Vinde Espírito Criador,
a nossa alma visitai
e enchei os corações
com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor,
de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor,
a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons
e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós,
por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai,
os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai,
qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli
e concedei-nos vossa paz;
se pela graça nos guiais,
o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador,
por Vós possamos conhecer;
que procedeis do Seu amor
fazei-nos sempre firmes crer.

Amém!

 

ADORAÇÃO EUCARÍSTICA PERPÉTUA

Quando uma paróquia adora Deus dia e noite, a cidade se transforma“, declarou o Pe. Patricio Hileman à Rádio Maria, da Argentina. O Pe. Hileman é pároco em uma cidade mexicana que, até 2010, aparecia com destaque nos rankings mundiais da violência entre as 10 cidades mais perigosas do mundo: Ciudad Juárez, próxima da fronteira entre o México e os Estados Unidos.

A cidade é palco de uma guerra sangrenta entre dois dos mais devastadores cartéis do tráfico de drogas em todo o planeta: o de Juárez e o de Sinaloa, este último chefiado pelo famigerado Joaquín “el Chapo” Guzmán Loera.

Em um cenário tão desolador, no qual facções policiais se alinhavam com os bandidos, a esperança parecia perdida. No entanto, Ciudad Juárez começou uma virada impressionante que hoje a reposiciona nos rankings da violência e a torna mais segura que várias cidades dos Estados Unidos, como Nova Orleans e Baltimore.

E o que foi que a levou a tamanha transformação? Uma “arma de altíssimo poder de fogo” passou a detonar as forças do mal na região: a Adoração Eucarística Perpétua.

Em 2013, uma paróquia solicitou com urgência que fosse aberta uma capela de Adoração Perpétua. Bastaram três dias para transformar a iniciativa em realidade. Em sua entrevista, o Pe. Hileman relata um fato arrepiante ocorrido naquele ano: com a cidade em estado de sítio, uma mulher se dirigia à capela às 3h da manhã para fazer a Hora Santa quando seis soldados a interceptaram, questionaram sua presença na rua àquela hora e duvidaram de que ela estivesse mesmo indo a uma capela quando tudo estava fechado. Ela os convidou a acompanhá-la. Ao chegarem à capela, os soldados ficaram de boca aberta ao encontrarem seis mulheres fazendo a adoração eucarística às três da manhã – e de boca mais aberta ainda quando ouviram de uma delas o seguinte:

“Você pensa que está nos protegendo? Nós estamos orando por você 24 horas por dia”.

Um dos soldados, segurando a arma, começou a chorar e caiu de joelhos diante do Santíssimo Sacramento. Na madrugada seguinte, às 3h, aquele mesmo soldado, vestido à paisana, estava de joelhos na capela, fazendo a sua hora santa diante do Santíssimo Sacramento da Eucaristia e “chorando oceanos de lágrimas“.

Em fevereiro de 2016, durante a sua viagem apostólica ao México, o Papa Francisco foi até Ciudad Juárez e visitou um célebre presídio local, onde fez um pedido:

Peçamos ao nosso Deus o dom da conversão, o dom das lágrimas. Sempre há tempo para mudar. Sempre há uma saída e uma oportunidade. Sempre é tempo para implorar a misericórdia do Pai”.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here