Música contemplativa e canto gregoriano: a oração cantada da Igreja

0
1131

[su_animate type=”bounceInRight” duration=”1.0″]

Ouça a sublimidade do gregoriano nas vozes dos monges beneditinos de um mosteiro de 1400 anos

[/su_animate]
[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=jhoOtEsET_w”]

A música contemplativa

Segundo os pensadores medievais, há dois modos de degustar a música:

  • a forma vulgar, que fica no sensível, no prazer imediato da orelha afagada pelos sons doces;
  • a forma intelectual, que eleva a beleza sonora até o mundo das proporções inteligíveis, até o próprio Deus.

Na primeira forma, os compositores se comprazem na simples audição e compõem segundo o seu capricho. Na segunda forma, compõem segundo as regras.

Para os sábios, a música é uma atividade intelectual e contemplativa. Ouvindo-a com inteligência, penetra-se no mundo dos mistérios sublimes, das regras da harmonia, dos números eternos. Assim faziam os antigos, mas os cristãos sobem mais alto e chegam até a Unidade, a Fonte de toda harmonia, o Criador de toda beleza, a Felicidade absoluta. A música, assim, se dilata em êxtase místico.

A sinfonia é a imagem do universo unificado em Deus. Guilherme de Auvergne vê nas notas mais altas a harmonia das criaturas mais sublimes. Para ele, os sons graves são signo dos seres materiais. Todo concerto é o símbolo da harmonia cósmica, da fabulosa unidade do universo estruturado com hierarquia e proporção.

O Canto Gregoriano

Dentro da música cristã, o ápice é ocupado pelo canto gregoriano. Trata-se de um gênero vocal monofônico e monódico (de uma só melodia), sem acompanhamento instrumental (ou somente acompanhado pelo organum). Suas características básicas são uma herança dos salmos judaicos e das escalas musicais gregas, que, no século VI, foram adaptadas por São Gregório Magno para as celebrações litúrgicas da Igreja. O texto é a razão de ser do canto gregoriano, com total primazia sobre a melodia. O canto gregoriano, afinal, se baseia no princípio de que “quem canta ora duas vezes”.

Na década de 1990, tornou-se mundialmente reconhecido como um “centro de excelência” na preservação e execução do canto gregoriano o mosteiro espanhol de Santo Domingo de Silos, uma abadia beneditina localizada na província de Burgos. O mosteiro remonta à época visigótica, no século VII, e foi passando por fases de decadência e ressurgimento ao longo dos séculos. Seu claustro, aliás, é uma das obras-primas do românico espanhol.

Mosteiro de Santo Domingo de Silos

No vídeo acima, você pode ouvir um exemplo da beleza sublime da oração cantada que é o gregoriano, nas vozes dos monges beneditinos de Silos.

Aleteia

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here